Quando linguagem e sensorial se encontram?!

Oiii. Tudo bem por aí?! Espero que você e seus familiares estejam bem.

Rebeca, quando foi apresentada á caixa de areia pela primeira vez! sz Foto: @ambientepreparado

Se você me acompanha lá pelo Instagram @ambientepreparado você acompanhou o presente que os queridos da @quandoviramospais enviaram para mim, (na verdade pra Rebeca hehehe): a caixa de areia!!! Por lá eu perguntei se você tinha interesse em saber mais sobre a importância dela na alfabetização montessoriana e a maioria respondeu que sim, então, aqui estamos!! 😊 Espero que esse artigo seja útil pra você... Primeiramente, quero te contar (ou te lembrar) que a criança tem períodos sensíveis (que são o que a ciência chama hoje em dia de ”janelas de aprendizagem” e no que diz respeito à linguagem (desde o início da oralidade até a conquista da escrita), ele acontece durante todo o período dos 0 aos 6 anos das crianças. No entanto, no que diz respeito especificamente da leitura e da escrita ele acontece, de forma geral, entre os 3,5 anos aos 5 anos (para escrita) e dos 3,5 aos 6 anos (para leitura). Em Montessori acreditamos que todas as áreas (vida prática, sensorial, linguagem e matemática) estão interligadas e talvez o ponto de intersecção entre sensorial e linguagem seja quando utilizamos a caixa de areia durante o processo de pré-escrita da criança!


Ana utilizando a caixa de areia para trabalhar a pré-escrita. Foto: @quandoviramospais.

Isso porque a caixa de areia permite a exploração da grafia de letras (ou números, formas e linhas) através das pontas dos dedos. Esse tipo de exploração colabora com o desenvolvimento de dois pontos fundamentais para que a criança esteja pronta para iniciar o trabalho com o lápis: 1) a coordenação olho-mão; 2) a grafomotricidade, que é a habilidade responsável por constituir um grupo de funções tanto neurológicas quanto musculares que possibilitam a realização dos movimentos motores para a escrita em si.

Por que a criança precisa desenvolver essas duas habilidades ANTES de começar a escrever com o lápis e o papel?!

Para evitar fracassos e frustações! As atividades de pré-escrita (muito presentes também na área de vida prática montessoriana) colaboram primeiro com o amadurecimento da criança (especialmente dos músculos e destrezas das mãos e dedos), para que DEPOIS, ela possa iniciar o uso do lápis. Essa atitude, segundo palavras de Maria Montessori em “A descoberta da criança”, “pode aliviar a humanidade de amanhã de todo esforço no aprendizado da escrita.” (p. 194)

Tudo bem, mas como preparar a criança para escrita?! Há duas maneiras de estimular a preparação para a escrita 1) indiretamente; 2) diretamente. Na preparação indireta para a escrita a criança trabalha o que Montessori chama de “mecanismo motor” que tem a ver com dois aspectos: com o desenho das formas das letras e com a habilidade de manusear os instrumentos da escrita (ou seja, a maneira correta de segurar lápis e/ou canetas). Ele é adquirido através do “instinto natural” das crianças em tocarem em tudo o que for seguro à elas (sempre repito aqui que a segurança deve vir sempre em primeiro lugar), e aos poucos, seus músculos vão conquistando a força necessária para manusear os instrumentos da escrita.

Por outro lado, e ao mesmo tempo, ela começa a utilizar o refinamento desses movimentos quando repete os gestos necessários para a escrita. Além de viver bastante a vida prática, e explorar os materiais sensoriais, a criança encontrará o que precisa nos encaixes planos, que “consiste em tocar, com exatidão os contornos das diversas peças geométricas e seus quadros, servindo-se como de guia, dos relevos, em madeira, que auxiliam a mão, ainda inexperiente, a manter-se dentro de determinados limites” (p. 206) já que esse trabalho faz com que os olhos se habituem a ver e reconhecer as formas que estão sendo “sentidas” pelas mãos. E também com o auxílio da caixa de areia montessoriana, porque nela a criança consegue fazer, com as mãos os desenhos gráficos das letras e números, e até linhas você pode ver nas imagens deste artigo.

Assim, pode-se dizer que os exercícios de preparação indireta para a escrita não se tratam de preparação para a escrita, mas sim da preparação da mão para a escrita. Ficou confuso? rs

A preparação direta para a escrita é um processo que abrange um “acúmulo de dificuldades que podem ser isoladas umas das outras e ultrapassadas não só por exercícios diferentes, mas também nas diversas etapas da vida. Os exercícios relativos a cada fator devem, entretanto, ser independentes da escrita”. (p. 206). Entre os materiais montessorianos que colaboram na prática da preparação direta para a escrita estão os encaixes metálicos e as letras de lixa, mas eles são assuntos para um outro artigo (se você se interessar por saber mais sobre eles, obviamente hehehe).

Voltando ao objeto principal desse texto: a caixa de areia, vou te revisar de forma mais clara alguns dos principais benefícios que sua criança pode conquistar enquanto trabalha nela: 1) a habilidade com o desenho das formas das letras (que eu já te mencionei anteriormente); 2) coordenação motora fina com a precisão dos movimentos das pontas dos dedos; 3) coordenação olho-mão já que a criança pode observar uma letra e repeti-la na caixa de areia, conquistando a habilidade necessária para se copiar um texto da lousa, por exemplo; 4) como explorar sensorialmente a areia é uma atividade que alinha o desejo pelo movimento, pelo sensorial e pela linguagem, por isso a criança costuma se sentir plena enquanto a faz, e consecutivamente, a criança consegue atingir a concentração nessa tarefa por um bom tempo.

Sabendo disso, posso te afirmar que a maior vantagem da caixa de areia é ajudar a criança a entender internamente em seu cérebro, como reproduzir a grafia de letras, números e traços de maneira sensorial, sem a barreira da dificuldade em manusear o lápis da maneira certa, o que faz com que a criança se sinta mais interessada e, por consequência mais estimulada a praticar. A próxima etapa, para os alunos de escolas montessorianas, costuma ser a reprodução dos símbolos na lousa, para só então, praticar os mesmos traçados com o lápis no papel.


Ana utilizando a caixa de areia para trabalhar a pré-escrita. Foto: @quandoviramospais.

A alfabetização em Montessori é um assunto bastante complexo e eu não me sinto preparada para escrever sobre ele pois estou aprendendo com a vivência diária da minha família, mesmo assim, acho importante te alertar que ele envolve primeiramente o aprendizado fonético de cada letra, antes da apresentação da representação delas em si. Por isso, se a alfabetização Montessori te interessa, recomendo que você pesquise melhor sobre ela.

Como aqui em casa ainda não trabalhamos todos os sons, estamos usando e abusando da caixa de areia para treinar as habilidades que te comentei lá no início da nossa conversa de hoje: a coordenação olho-mão e a grafomotricidade, como você pôde ver nas fotos que inclui até agora aqui no texto.



Prepare o ambiente antes de disponibilizar o material 1) escolha um lugar plano e livre (pode ser um tapete no chão ou uma mesa); 2) certifique-se de que a luz do local é suficiente para que a criança veja corretamente o que está fazendo; 3) disponibilize a caixa de areia. Aqui, tenho deixado a bandeja vazia e a areia guardada num recipiente que minha filha pode abrir quando se interessar em fazer e tem funcionado bastante. Você vai entender qual dinâmica funcionará melhor por aí.

O ideal é que a areia fique disponível já na caixa, para que a criança esteja pronta para trabalhar, mas se você estiver insegura com a bagunça, recomendo que deixe a areia num potinho para que a criança se acostume. Por aqui funcionou super bem e já não precisamos mais deixar a areia no pote! :) Foto: @ambientepreparado

4) Deixe próximo à caixa de areia, cartões com representações que a criança já conhece (sejam letras, linhas ou números) para que ela possa reproduzi-los na areia. Coordenação olho-mão que fala né?! Hehehe

Exemplos de cards beeeeem caseiros b) que eu fiz e que estão sendo sucesso por aqui! Foto: @ambientepreparado

5) Demonstre a ela como se faz, fazendo movimentos lentos com os seus próprios dedos.


6) Permita que a criança explore!!!


Se sua criança já está na fase de traçar as letras, dá uma olhada na Ana, filha da Cintia, que administra a página @montessori.infancia. Tenho certeza que as imagens que coloquei no início deste artigo vão te inspirar e te deixar cheia de vontade de apresentar a caixa de areia por aí também!

Ana utilizando a caixa de areia para trabalhar a pré-escrita. Foto: @quandoviramospais.

Quero agradecer publicamente, mais uma vez, a gentileza dos queridos da @quandoviramospais que confiaram no meu trabalho e nos presentearam com essa caixa de areia, que seu eu não tivesse ganho, com certeza compraria hehehe Espero que esse artigo tenha esclarecido suas dúvidas e tenha te estimulado a permitir esse tipo de desenvolvimento para sua criança. Se ficou qualquer dúvida, me manda lá no @ambientepreparado vai ser um prazer te encontrar por lá!

Referências 1) A descoberta da criança. Pedagogia científica, Maria Montessori. 2) Caixa de areia Montessori: aprender a escrever, disponível em: https://www.criandocomapego.com/caixa-de-areia-montessori-aprender-a-escrever/. Acesso em 13 agosto 2021.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
TODA CRIANÇA MERECE UMA CASA SEGURA E INCLUSIVA!     
 
Por Audrey Migliani 
Mãe e Arquiteta
  • Grey Pinterest Ícone
  • Grey Instagram Ícone